Um ano após desfile municipal retratar crianças negras como escravizadas, ação contra prefeitura por discriminação racial é suspensa pela 3ª vez

Um ano após desfile municipal retratar crianças negras como escravizadas, ação contra prefeitura por discriminação racial é suspensa pela 3ª vez

Um ano após desfile municipal retratar crianças negras como escravizadas, ação contra prefeitura por discriminação racial é suspensa pela 3ª vez

O desfile foi no dia 18 de setembro de 2022, nas comemorações dos 200 anos da Independência do Brasil (relembre a seguir).

Na última segunda-feira (18), o juiz Sidnei Dal Moro decidiu suspender mais uma vez o processo. De acordo com o magistrado, a paralisação por 60 dias é “para viabilizar as tratativas de acordo entre as partes”. Veja:

Decisão tomada no dia 18 de setembro de 2023 — Foto: Reprodução

A ação já tinha sido suspensa duas vezes pela juíza Ana Paula Menon Loureiro Pianaro Angelo. Em 22 de março e 5 de junho.

Cada paralisação foi por 30 dias. Nos dois episódios o motivo apontado foi o mesmo: “tratativas de acordo”. Veja abaixo.

Decisão tomada no dia 22 de março de 2023 — Foto: Reprodução

O g1 entrou em contato com a Prefeitura de Piraí do Sul para ouvir o município sobre a ação, mas não recebeu resposta.

Dano moral coletivo

Ao g1, o MP explicou que a ação civil pública busca o “reconhecimento da ocorrência de dano moral coletivo”.

Segundo os promotores, atualmente está em discussão o formato de um projeto de promoção da igualdade racial, que inclua ações destinadas à população e aos professores da rede municipal de ensino.

“Com o fim de garantir eficiência à promoção da igualdade racial, a ação foi suspensa a fim de que o Ministério Público e o Município pudessem acordar a melhor forma de o ente público cumprir os pedidos da ação”, afirma o MP.

O projeto é uma das três medidas propostas pelos promotores na ação:

  1. elaboração e execução de projeto de promoção da igualdade racial que inclua ações destinadas à população, como palestras e oficinas voltadas à difusão da cultura, história e filosofia negra, bem como ao combate ao racismo, e também aos servidores municipais, visando a estabelecer standards de comportamento antidiscriminatórios por meio do oferecimento de treinamento, difusão de informações e adoção de práticas que promovam a igualdade racial;
  2. instalação de Conselho Municipal de Promoção de Igualdade;
  3. firmar parceria com o Núcleo de Relações Étnico-Raciais, de Gênero e Sexualidade da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) ou outra instituição especializada no tema para atuar na formação continuada do corpo docente municipal.

A Justiça concordou com as sugestões do MP e determinou, no início do ano, que a prefeitura cumprisse as medidas.

Segundo o MP, apenas parte foi cumprida. O Conselho Municipal de Promoção de Igualdade foi criado por lei em fevereiro de 2023.

O grupo tem reuniões mensais marcadas até o final deste ano e teve a composição formada no 1º Fórum Municipal de Políticas de Igualdade Racial de Piraí do Sul, realizado em junho.

O Ministério Público também lembra que uma primeira palestra voltada ao público em geral, com o tema “Racismo estrutural e discriminação indireta”, foi ministrada durante o evento.

Defensoria Pública

O Núcleo da Cidadania e Direitos Humanos (NUCIDH) e o Núcleo da Infância e Juventude (NUDIJ), ambos da defensoria, abriram um procedimento administrativo para ouvir as pessoas e instituições relacionadas ao caso e acompanhar as investigações feitas pelos órgãos competentes.

“Os Núcleos concluíram que houve a utilização indevida de elementos étnico-raciais no ato que colocavam pessoas negras em uma posição de inferioridade. A encenação também utilizou crianças brancas para representar colonizadores”, aponta a DPE.

Recomendação para o desfile de 2023

Neste ano, a defensoria e o MP emitiram uma recomendação administrativa para que a prefeitura não repetisse o erro.

“Considerando os impactos à população negra de um desfile com os mesmos problemas do ano passado, entendemos que expedir a recomendação é um caminho para assegurar a preservação dos direitos dessa coletividade no evento deste ano”, afirma Antonio Vitor Barbosa de Almeida, defensor público e coordenador do NUCIDH.

O Desfile Cívico Municipal de Piraí do Sul de 2023 em comemoração ao Dia da Independência do Brasil foi realizado no último domingo, 17 de setembro.

Relembre o caso

No desfile cívico realizado no dia 18 de setembro de 2022 em Piraí do Sul crianças negras foram retratadas como escravizadas e desfilaram com correntes de papel nos pulsos e tornozelos. O desfile fez parte das comemorações dos 200 anos da Independência do Brasil.

Em nota, na época a Prefeitura de Piraí do Sul afirmou que o desfile buscava resgatar valores como civismo e desenvolver o sentimento de pertencimento em toda a população.

Na avaliação do município, “em momento algum o ato ficou caracterizado como ofensa aos negros nem se destinou a qualquer desrespeito à dignidade da pessoa humana”.

Em janeiro de 2023, o MP protocolou na Justiça a ação civil pública contra a Prefeitura de Piraí do Sul por discriminação social.

MP apura desfile cívico em que crianças negras foram retratadas como escravos

MP apura desfile cívico em que crianças negras foram retratadas como escravos

VÍDEOS: mais assistidos do g1 Paraná

Link original da notícia: https://g1.globo.com/pr/campos-gerais-sul/noticia/2023/09/20/um-ano-apos-desfile-municipal-retratar-criancas-negras-como-escravizadas-acao-contra-prefeitura-por-discriminacao-racial-e-suspensa-pela-3a-vez.ghtml

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *