Suspeito de matar dois jovens a facadas em Londrina é transferido para Complexo Médico Penal, afirma delegado

Suspeito de matar dois jovens a facadas em Londrina é transferido para Complexo Médico Penal, afirma delegado

Suspeito de matar dois jovens a facadas em Londrina é transferido para Complexo Médico Penal, afirma delegado

O homem suspeito de matar dois jovens a facadas em Londrina, norte do estado, foi transferido nesta para o Complexo Médico Penal (CMP) em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). A informação foi confirmada pelo delegado João Reis, que investiga o caso.

O g1 tenta contato com a defesa do suspeito.

O crime foi na manhã de domingo (3), em uma casa no Jardim Jamaica, zona oeste da cidade. Segundo a polícia, o suspeito invadiu a residência e matou Júlia Beatriz Garbossi Silva, 23 anos, Daniel Takashi, 22 anos, namorado de uma amiga dela.

Júlia Garbossi, estudante da UEL morta em Londrina (PR) — Foto: Reprodução/Redes Sociais

Júlia cursava Ciências Sociais na Universidade Estadual de Londrina (UEL).

A jovem estava com as vítimas no momento do ataque e também foi esfaqueada, mas sobreviveu. Ela contou à polícia que era perseguida pelo suspeito nas redes sociais. Veja mais detalhes abaixo.

De acordo com o delegado, o homem vai passar por uma avaliação psicológica no Complexo Médico Penal.

Depoimentos

A Polícia Civil ouviu o pai de Júlia e a mãe de Daniel. Durante a semana, o delegado pretende ouvir amigos das vítimas.

O inquérito deve ser concluído até a semana que vem.

Vítima era ‘stalkeada’

O termo significa perseguição em inglês e é considerado crime no Brasil desde 2022.

Segundo o delegado João Reis, os dois trabalharam juntos, e o rapaz, nos últimos meses, demonstrou interesse em ter um relacionamento amoroso com ela.

Conforme Reis, a jovem deixou claro ao homem que somente queria a amizade. A investigação da Polícia Civil aponta que, dias antes do crime, o suspeito teria criado perfis fakes em redes sociais para perseguir a jovem.

Jovem precisou convencer suspeito

Durante o crime, o homem algemou a jovem sobrevivente. Em depoimento, ela afirmou que teve que convencer ele a levá-la ao hospital.

“Então ela [sobrevivente] disse pra ele parar, porque ela ia morrer. Ela convence ele pra ir até o hospital, que não ia dizer nada, que tinha sido um assalto e chamaram um motorista de aplicativo e contaram essa história”, explicou o delegado.

O suspeito e a sobrevivente foram até a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) do Jardim Sabará. Durante o atendimento, ele afirmou que os dois tinham sido vítimas de uma tentativa de roubo.

Suspeito de ter assinado dois jovens em Londrina foi transferido para Complexo Médico Penal — Foto: Reprodução

Segundo o delegado, a jovem contou a história verdadeira aos médicos, que acionaram a Polícia Militar. O homem foi preso em flagrante.

Com ele, a polícia encontrou uma faca e um canivete.

O que é ‘stalking’

A prática é mais conhecida nos meios digitais, mas a lei prevê condenações para quem cometer o crime em qualquer meio, seja digital ou físico. A lei também definiu que será enquadrado no crime quem restringir a capacidade de locomoção da vítima.

Antes da lei, a prática de “molestar alguém ou perturbar-lhe a tranquilidade” era considerada contravenção penal, e não crime, e tinha como pena a prisão de 15 dias a dois meses, ou multa.

A pena de reclusão será aumentada em metade caso o crime seja cometido:

  • contra criança, adolescente ou idoso;
  • contra mulher por razões da condição do sexo feminino;
  • por duas ou mais pessoas, ou com o emprego de arma.

Veja quais os sinais que podem indicar uma perseguição:

  • Várias mensagens ou ligações no mesmo dia;
  • O perseguidor, após ser bloqueado nas redes sociais ou aplicativos de conversas, começa a criar vários perfis falsos;
  • O perseguidor começa a monitorar os locais em que você vai.

Mais assistidos do g1 PR

Link original da notícia: https://g1.globo.com/pr/norte-noroeste/noticia/2023/09/06/suspeito-de-matar-dois-jovens-a-facadas-em-londrina-e-transferido-para-complexo-medico-penal-afirma-delegado.ghtml

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *