Oito pessoas são resgatadas de trabalho análogo ao escravo no Paraná em agosto

Oito pessoas são resgatadas de trabalho análogo ao escravo no Paraná em agosto

Oito pessoas são resgatadas de trabalho análogo ao escravo no Paraná em agosto

Ao todo, segundo o MPT, mais de 70 equipes de fiscalização participaram de 222 inspeções em 22 estados e no Distrito Federal. Houve resgates em 15 deles.

Estiveram envolvidos no trabalho as seguintes instituições: Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), Ministério Público do Trabalho (MPT), Ministério Público Federal (MPF), Defensoria Pública da União (DPU), Polícia Federal (PF) e Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Resgates no Paraná

Segundo o MPT, em Nova Santa Rosa foram resgatados quatro pessoas que trabalhavam no carregamento de suínos. Todos são paraguaios e três deles estavam em situação migratória irregular.

O órgão informou que durante uma inspeção da força-tarefa, foram constatadas diversas irregularidades, entre elas jornada exaustiva, condições degradantes de trabalho e descumprimento das normas de saúde e segurança do trabalho.

Dois deles voltaram ao Paraguai. Os outros dois estão sendo assistidos pelo Centro de Referência da Assistência Social (Cras) de Maripá.

Em Marilândia do Sul, conforme o MPT, foram resgatados dois homens em uma propriedade rural destinada à criação de suínos e frangos, além de separação de materiais recicláveis.

Entre as vítimas está um idoso, que trabalhava a mais de 10 anos sem receber salário. O MPT informou que foram constatadas irregularidades como a ausência de registro laboral, a falta de pagamento de salários, condições precárias de moradia e de segurança.

Após o resgate, o idoso foi encaminhado a uma ONG e o outro para a casa dos pais.

No município de Adrianópolis foram encontrados dois trabalhadores em situação irregular, em atividade de pecuária, em duas propriedades rurais.

Nos locais, segundo a instituição, foram encontradas várias irregularidades, como falta de segurança para o trabalho e condições precárias de higiene e moradia.

Como denunciar

De acordo com o MPT, denúncias de pessoas que estejam em situação de escravidão contemporânea devem ser feitas para a polícia, pelo número 190, ou anonimamente pelo 181.

Histórico

Trabalhadores são resgatados de condições análogas à escravidão — Foto: MPT/Divulgação

Dados do Observatório da Erradicação do Trabalho Escravo e Tráfico de Pessoas mostram que, entre 1995 e 2022, o Paraná resgatou, em média, 43 pessoas vítimas do crime por ano.

Ao todo, foram 1.223 pessoas resgatadas no período.

Formas de prevenir

A página no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) traz alguns pontos que podem observados pelos trabalhadores antes de aceitar propostas de emprego, especialmente as que oferecem condições muito vantajosas, mas têm procedência duvidosa:

  • questionar propostas de emprego fácil e muito lucrativas;
  • ler atentamente o contrato de trabalho;
  • buscar informações sobre a empresa contratante;
  • se atentar aos contratos que incluem deslocamentos, viagens nacionais e internacionais;
  • não deixar cópias de documentos pessoais e deixá-las em mãos de parentes ou amigos;
  • deixar sempre endereço, telefone e/ou localização da cidade para onde está viajando a trabalho;
  • ter em mãos endereços e contatos de consulados, ONGs e autoridades da região para onde está viajando;
  • ao viajar, não deixar de se comunicar com familiares e amigos.

VÍDEOS: Mais assistidos do g1 Paraná

Link original da notícia: https://g1.globo.com/pr/parana/noticia/2023/09/05/oito-pessoas-sao-resgatadas-de-trabalho-analogo-ao-escravo-no-parana-em-agosto.ghtml

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *