Hospital pioneiro em compostagem conta quais são os benefícios da prática

Hospital pioneiro em compostagem conta quais são os benefícios da prática

Hospital pioneiro em compostagem conta quais são os benefícios da prática

Conheça mais sobre a parceria de sucesso entre a Composta+ o Hospital da Cruz Vermelha Brasileira, em Curitiba, e entenda a relação da nutrição com essa história


Hospital pioneiro em compostagem conta quais são os benefícios da prática — Foto: Reprodução/Envato

O Hospital da Cruz Vermelha Brasileira – Filial Paraná foi o primeiro hospital a destinar os seus resíduos para a compostagem em Curitiba, em parceria com a Composta+. Taciana Gutierrez, nutricionista coordenadora do hospital, conta o motivo dessa decisão e quais foram os resultados obtidos.

A destinação correta dos resíduos sempre foi um compromisso do hospital. Quando conhecemos o trabalho da Composta +, vimos que as responsabilidades com o meio ambiente estavam alinhadas e que poderíamos melhorar ainda mais a destinação dos resíduos orgânicos da instituição.

— Taciana Gutierrez

Case de sucesso: Hospital da Cruz Vermelha e a compostagem

Apesar de ter começado por conta do propósito, o hospital colheu diversos benefícios da parceria com a empresa de compostagem empresarial, que já completa 3 anos. A coordenadora explica quais foram os principais deles:

  1. Economia de gastos com sacos de lixo e com água. Com as bombonas retornáveis da Composta+, o hospital pode reduzir os gastos com os sacos pretos de plástico, indo de uma média de 4600 unidades para 2800 ao mês. Além disso, por não precisarem mais higienizar as lixeiras, o uso de água também foi reduzido.
  2. Ergonomia dos colaboradores. Houve também uma melhora no dia a dia da equipe, que não precisou mais manusear os sacos pesados dos resíduos orgânicos no final do dia.
  3. Criação do Projeto Semear. A Composta+ entrega mensalmente mudas de hortaliça e adubo orgânico para os seus clientes e o Hospital da Cruz Vermelha Brasileira viu uma oportunidade para criar uma horta própria. Hoje, as plantas da horta são utilizadas no preparo do cardápio de colaboradores e pacientes do hospital.
  4. Redução dos impactos ambientais. O mais importante foi o impacto positivo gerado pela instituição. O descarte dos resíduos orgânicos gerados no serviço de nutrição foi redesenhado, evitando os aterros sanitários e, consequentemente, reduzindo a emissão de gases nocivos.

Projeto Semear aproveita as mudas de hortaliças e o adubo orgânico da compostagem — Foto: Divulgação/Hospital da Cruz Vermelha Brasileira

Qual é o papel da nutrição na gestão de resíduos?

A nutricionista do Hospital, Dra. Taciana, foi fundamental para levar o projeto de compostagem adiante e implementar a coleta de resíduos orgânicos na instituição. E isso se deu porque, para a especialista, é papel do nutricionista também olhar para o aproveitamento integral dos alimentos e para a redução do desperdício. É preciso pensar no ciclo completo dos resíduos, desde a composição até o descarte.

Precisamos ter a responsabilidade com os resíduos orgânicos gerados no preparo dos alimentos, sensibilizando a equipe para que o descarte correto aconteça de forma a minimizar os impactos ao meio ambiente.

— Taciana Gutierrez

E é em homenagem ao Dia dos Nutricionistas (31), que a Composta+ lembra a importância desses profissionais e reforça que o papel deles na sociedade é muito maior do que se imagina. Parabéns a todos os profissionais da área!

Composta Mais conteúdo de responsabilidade do anunciante

Deseja receber as notícias mais importantes em tempo real? Ative as notificações do G1!

Link original da notícia: https://g1.globo.com/pr/parana/especial-publicitario/composta-mais/residuo-nao-e-lixo-e-oportunidade/noticia/2023/08/31/hospital-pioneiro-em-compostagem-conta-quais-sao-os-beneficios-da-pratica.ghtml

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *