Homem suspeito de matar esposa policial de Maringá é indiciado por feminicídio

Homem suspeito de matar esposa policial de Maringá é indiciado por feminicídio

Homem suspeito de matar esposa policial de Maringá é indiciado por feminicídio

De acordo com o inquérito, ele deve responder por feminicídio, motivo torpe, meio cruel, por não ter dado a chance de defesa à vítima e por ter usado arma de uso restrito.

O advogado do suspeito, José Carlos Ragiotto, acredita na inocência de Kenny. “Eu continuo acreditando na inocência do Kenny. Nós não temos nenhum laudo juntado”.

O inquérito diz haver indícios de que o homem matou a esposa.

“Indícios fortes de que o autuado atirou em Daniela quando ela estava deitada, provavelmente sonolenta ou dormindo, encostando o cano da arma da arma no lado direito da cabeça na altura e um pouco atrás da orelha, acreditando que poderia simular um suicídio”, mostra o inquérito.

Homem é indiciado por feminicídio suspeito de matar a esposa policial, em Maringá — Foto: Reprodução/RPC

Em depoimento, o investigado disse que Daniela estava em pé quando houve o disparo. Contudo, a polícia informou que, diante dos vestígios de sangue encontrados, a versão não se sustenta.

“Se assim tivesse ocorrido, seria pouco presumível aquela concentração de sangue toda na parte superior da cama, e ainda sem quaisquer respingos nas paredes ou móveis que estivessem próximos ou mesmo correspondentes à altura da vítima”, aponta o inquérito.

Pólvora nas mãos

Segundo o documento, as investigações apontaram que havia resquício de pólvora nas mãos do suspeito.

O delegado Diego Almeida, responsável pelo caso, disse que todos os elementos coletados para a análise apontaram Kenny como o atirador.

“Por conta de todo esse trabalho investigativo, nós entendemos que foi ele quem efetuou o disparo na cabeça da soldado Daniela no momento que ela estava deitada”, disse.

Em onze dias de investigações, cerca de 20 testemunhas foram ouvidas. A polícia aguarda o resultado da necropsia feito na vítima.

Daniela Carolina Marinelo, de 36 anos era policial militar/ suspeito pelo crime é o marido — Foto: Reprodução

Quem era a PM morta

Daniela fazia parte da corporação há pelo menos 10 anos e atualmente trabalhava no Batalhão de Trânsito. Segundo o delegado, ela não apresentava sintomas de transtorno depressivo.

Ainda segundo a polícia, o suspeito tem uma ficha criminal extensa, envolvendo crimes como roubo, furto, cárcere privado e estupro.

VÍDEOS: Mais assistidos do g1 Paraná

Link original da notícia: https://g1.globo.com/pr/norte-noroeste/noticia/2023/09/11/homem-suspeito-de-matar-esposa-policial-de-maringa-e-indiciado-por-feminicidio.ghtml

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *