Suspeita de matar filha, esquartejar corpo e esconder na geladeira diz à polícia ter buscado na internet ‘jeito mais fácil’

Suspeita de matar filha, esquartejar corpo e esconder na geladeira diz à polícia ter buscado na internet ‘jeito mais fácil’

Suspeita de matar filha, esquartejar corpo e esconder na geladeira diz à polícia ter buscado na internet ‘jeito mais fácil’

A Polícia Civil do 47º DP de São Paulo investiga a morte de Alany Izilda Floriano Silva e uma perícia no celular de Ruth pelo Instituto de Criminalística de São Paulo deve apontar as páginas da internet que foram usadas como fontes por ela.

Ruth Floriano teve a prisão em flagrante convertida para a preventiva e ficará detida por tempo indeterminado. O g1 não conseguiu localizar a defesa dela para comentar o assunto até a última atualização desta reportagem.

Segundo apurado pelo g1, a mulher contou à polícia que entre os dias 8 e 9 de agosto, depois de consumir drogas, decidiu matar a filha por não aceitar a separação com o pai, que ainda não foi identificado pela investigação.

A mulher detalhou que esfaqueou a vítima quando a criança estava escovando os dentes de madrugada, teria pesquisado na internet maneiras de esquartejar, e guardou partes do corpo na geladeira. Depois, ela jogou membros em um esgoto perto da casa, que até então era na Zona Leste de São Paulo. A família se mudou para a Zona Sul da cidade, no dia 15 de agosto.

O homem que fez o frete afirmou que geladeira estava enrolada com lençol e fitas, e que apenas mais dois móveis foram levados ao novo endereço. Ninguém suspeitou que havia um corpo dentro do eletrodoméstico.

Apenas entre sexta-feira (25) e sábado (26), a mulher saiu de casa e a mãe do atual namorado decidiu verificar o que tinha na geladeira. A sogra de Ruth desconfiava de drogas ou arma escondidas, mas achou o corpo de Alany. A Polícia Militar foi chamada e a mulher foi presa.

O caso foi registrado no 100º Distrito Policial (DP), Jardim Herculano, como homicídio qualificado contra menor de 14 anos e emboscada por motivo fútil, recurso que dificultou a defesa da vítima e ocultação de cadáver.

Entenda o caso

Os policiais ainda tentam saber quando o crime foi cometido e o motivo dele. Isso porque, segundo a polícia, Ruth deu pelo menos duas versões para o assassinato da filha (leia abaixo).

A criança nasceu em 6 de agosto de 2014, fruto de um relacionamento com um homem que mora no interior de São Paulo. A menina morava com a família dele antes de ir morar com a mãe. A investigação quer ouvi-lo.

Primeira versão

Quando foi ouvida inicialmente pela PM, Ruth negou o crime e contou, segundo os agentes, que há “aproximadamente um mês”, quando a filha tinha 8 anos, conheceu um homem num aplicativo de relacionamentos. E que o levou para sua casa, onde consumiram drogas e dormiram depois.

Ao acordar, ela disse ter encontrado a filha morta, mas não se lembra do que aconteceu. Ruth não contou se tinha sido ela ou o homem que matou e esquartejou a criança. Mas que decidiu colocar as partes do corpo da menina numa geladeira.

Segunda versão

No interrogatório na delegacia, Ruth deu outra versão para o crime: a de que matou Alany entre 8 e 9 de agosto, dois ou três dias após a filha ter completado 9 anos. A polícia, porém, trabalha com a hipótese de o assassinato ter sido cometido antes, quando a vítima tinha 8 anos ainda.

Ruth tem outros dois filhos. Eles foram encontrados e entregues ao Conselho Tutelar.

Link original da notícia: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2023/08/29/suspeita-de-matar-filha-esquartejar-corpo-e-esconder-na-geladeira-diz-a-policia-ter-buscado-na-internet-jeito-mais-facil.ghtml

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *