Senac busca retomada de unidade para volta de atividades educacionais

Senac busca retomada de unidade para volta de atividades educacionais

Senac busca retomada de unidade para volta de atividades educacionais

Há mais de 30 dias, quando a unidade do Senac na Rua da Bahia, no Centro de Belo Horizonte, foi ocupada por famílias do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas, a instituição busca a reintegração do imóvel. O espaço vinha passando por um processo de readequação e tem como foco o atendimento gratuito de turmas do Programa Jovem Aprendiz.

O Senac informa em comunicado que ofereceu às famílias auxílio-aluguel para moradia social por três meses, cestas básicas e inserção gratuita em cursos da instituição. Proposta que foi negada pelo Movimento.

Diante disso, e entendendo que não pode comprometer o acesso gratuito à educação de qualidade a milhares de pessoas, o Senac busca os esforços legais para a retomada da posse do imóvel. Contudo, segue aberto ao diálogo, diz o comunicado.

Leia o documento na íntegra:

Senac é uma instituição privada de ensino referência na formação profissional para os segmentos do comércio de bens, serviços e turismo. Desde sua criação, há mais de 77 anos, já realizou mais de 73 milhões de atendimentos em todos os estados brasileiros.

Por meio do Programa Senac de Gratuidade, leva cursos de qualificação e técnicos a pessoas menos favorecidas, impactando e transformando diariamente a vida de milhares de pessoas em cada uma de suas unidades.

Na madrugada de 28/07, uma dessas unidades, localizada à Rua da Bahia, no Centro de Belo Horizonte, que passa por processo de readequação para reabertura, foi violada, com a invasão cometida por famílias organizadas pelo Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB). O prédio tem como funcionalidade o atendimento de turmas gratuitas do Programa Jovem Aprendiz, que prepara jovens para o primeiro emprego.

Ao tomar conhecimento da invasão, e no mesmo dia, o Senac ofereceu às famílias auxílio-aluguel para moradia social por três meses, cestas básicas e a inserção gratuita das pessoas participantes da ocupação em seus programas de qualificação profissional – em cursos de formação inicial ou técnicos.

Infelizmente, a proposta não foi aceita pelo Movimento, sob o argumento que o objetivo da ocupação seria a moradia definitiva. Diante disso, e entendendo que não pode comprometer o acesso gratuito à educação de qualidade a milhares de pessoas, o Senac busca os esforços legais para a retomada da posse do imóvel. Contudo, segue aberto ao diálogo.

A instituição reforça que suas atividades vão ao encontro do anseio de toda a sociedade: o de que todas as pessoas tenham acesso aos seus diretos sociais que, entre outros pilares, incluem educação, trabalho e moradia.

Link original da notícia: https://g1.globo.com/mg/minas-gerais/especial-publicitario/senac-mg/noticia/2023/09/02/senac-busca-retomada-de-unidade-para-volta-de-atividades-educacionais.ghtml

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *