Preso pela PF por suspeita de corrupção, prefeito de Alto Alegre é transferido da penitenciária

Preso pela PF por suspeita de corrupção, prefeito de Alto Alegre é transferido da penitenciária

Preso pela PF por suspeita de corrupção, prefeito de Alto Alegre é transferido da penitenciária

Investigado e preso pela Polícia Federal por suspeita de corrupção, o prefeito de Alto Alegre, Pedro Henrique Machado (PSD), de 29 anos, foi transferido para Comando de Policiamento da Capital, um quartel da Polícia Militar em Boa Vista. A informação é da Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejuc).

Procurada sobre a transferência, a defesa do prefeito ainda não enviou resposta ao g1. Antes. a assessoria jurídica dele disse que aguardava acesso aos autos da investigação para se manifestar sobre o caso.

Pedro Henrique estava foragido e se entregou à PF no dia 31 de agosto, onde teve a prisão cumprida pelos investigadores federais. Ele é investigado no âmbito da operação Leviatã.

Na investigação contra o prefeito, a PF apura se o prefeito é integrante de um esquema de fraudes em licitações, pagamentos de propinas e lavagem de dinheiro envolvendo uma empresa de engenharia que tem contratos com o município de Alto Alegre.

A transferência dele do presídio de Monte Cristo para CPC atendeu a uma decisão judicial, segundoa Sejuc.

Operação Leviatã

Deflagrada pela PF no dia 29 de agosto, a operação Leviatã cumpriu 12 mandados de busca e apreensão em Boa Vista, e tinha ainda dois mandados de prisão preventiva – um contra o prefeito Pedro Henrique, que não foi localizado no dia, e outro contra o empresário Handerson Torreia de Lima, que foi preso.

Todas as ordens judiciais foram expedidas pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região. As investigações da PF indicam que o empresário Handerson, de Boa Vista, dono de uma empreiteira, desviava dinheiro público para o prefeito Pedro Henrique.

As investigações iniciaram com a análise de materiais apreendidos em outra operação da PF, quando foram encontrados diálogos entre o empresário e o político sobre a contratação de uma empresa para serviços de engenharia para a prefeitura de Alto Alegre.

Segundo a PF, há indícios de que a organização criminosa tentaria obter propinas em troca do direcionamento de procedimentos licitatórios. Os policiais investigam processos de contratação de serviços relacionados à iluminação pública e a obras de asfaltamento e pavimentação.

Para dissimular os pagamentos das propinas, o grupo investigado envolveria empresas intermediárias, as quais, por meio da simulação de venda de mercadorias, mediante emissão de notas fiscais “frias” e utilização de contas de “laranjas”, faria o dinheiro chegar até o político investigado, sem que a origem do montante fosse identificada.

Os valores dos contratos firmados com as empresas investigadas alcançam aproximadamente R$ 60 milhões.

As investigações apontam ainda que outros indivíduos teriam sido cooptados para a organização, que passaria a contar com a integração de empresários, servidores públicos, empresas e “empresas de fachada”.

Link original da notícia: https://g1.globo.com/rr/roraima/noticia/2023/09/02/preso-pela-pf-por-suspeita-de-corrupcao-prefeito-de-alto-alegre-e-transferido-da-penitenciaria.ghtml

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *