Policial penal diretor na Secretaria de Justiça e Cidadania é preso por dirigir embriagado em carro oficial e causar acidente em Boa Vista

Policial penal diretor na Secretaria de Justiça e Cidadania é preso por dirigir embriagado em carro oficial e causar acidente em Boa Vista

Policial penal diretor na Secretaria de Justiça e Cidadania é preso por dirigir embriagado em carro oficial e causar acidente em Boa Vista

O policial penal Hallison Santana de Olanda, de 35 anos, foi preso em flagrante após causar um acidente em um carro oficial do governo na madrugada de sexta-feira (8), em Boa Vista. Ele bateu contra o carro de um idoso, de 68 anos, que foi levado ao hospital com suspeita de fratura na cervical, que é a região do pescoço.

Hallison, que ocupa o cargo comissionado de diretor do Departamento de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania na Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejuc) estava embriagado, conforme relatório da prisão que a Rede Amazônica teve acesso.

Em nota, o governo, por meio da Sejuc, informou que “não concorda com nenhum tipo de desvio de conduta de servidor. E adianta que o mesmo foi exonerado do cargo em comissão que ocupava na Sejuc.”

Além disso, a Corregedoria foi acionada e “será instaurado um Processo Administrativo Disciplinar para apurar a conduta do servidor.”

Procurado, o advogado que atuou na defesa de Halisson na delegacia disse que qualquer nota sobre o assunto teria de ser solicitada diretamente a ele, mas passaria o contato da reportagem. Hallison ainda não respondeu as mensagens enviadas, e o celular estava desligado g1.

Na delegacia, o policial penal foi atuado pelos crimes: embriaguez ao volante, lesão corporal na direção de veículo com a capacidade psicomotora alterada, deixar de prestar socorro e fugir do local do acidente. Ele pagou fiança de R$ 2,5 mil na audiência de custódia e vai responder em liberdade com medidas cautelares (entenda mais abaixo).

Hallison Santana foi preso por guardas civis municipais (GCM) que atuam na segurança e escolta do prefeito de Boa Vista. Ele, segundo os guardas, estava em uma caminhonete oficial, invadiu a contramão da avenida Brigadeiro Eduardo Gomes, em frente ao Parque Anauá, e bateu contra um carro que passeio que seguia na via.

Após bater, ele seguiu na contramão sem prestar socorro, mas foi abordado pela equipe da GCM que seguia acompanhando o carro do prefeito. Ao ser parado, Hallison disse que era policial penal e autorizou que fossem feitas buscas no carro que estava. Os agentes encontraram uma pistola no porta luvas da caminhonete.

O Departamento Estadual de Trânsito (Detran) foi acionado, mas Hallison se recusou a fazer o teste do bafômetro. Com isso, os agentes fizeram um termo de constatação de embriaguez com base na condição psicomotora que o policial penal apresentava.

Na delegacia, ele, acompanhado de um advogado, se manteve em silêncio e não respondeu às perguntas do delegado.

Liberdade com medidas cautelares

Na audiência de custódia, realizada na sexta (8), o juiz plantonista Alexandre Magno Magalhães Vieira arbitrou uma fiança de R$ 2,5 mil, que foi paga por Hallison, e concedeu liberdade provisória sob as seguintes condições:

  • Comparecer mensalmente no Fórum Criminal Ministro Evandro Lins e Silva, perante o Juízo competente;
  • Manter atualizado endereço e contato telefônico;
  • Proibição de se ausentar da comarca [Boa Vista] por mais de 08 dias sem autorização da Justiça;
  • Comparecer a todos os atos do processo, para o qual for intimado;
  • Proibição de frequentar bares e similares onde vendam bebidas alcoólicas;
  • Suspensão da permissão ou da habilitação para dirigir veículo automotor até ulterior deliberação pelo Juízo natural da causa.

Ainda em nota, a Sejuc lamentou “o fato e se coloca à disposição para mais esclarecimentos.”

Link original da notícia: https://g1.globo.com/rr/roraima/noticia/2023/09/09/policial-penal-diretor-na-secretaria-de-justica-e-cidadania-e-preso-por-dirigir-embriagado-em-carro-oficial-e-causar-acidente-em-boa-vista.ghtml

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *