Empresário suspeito de não entregar oxigênio aos Yanomami se apresenta à PF; ele estava foragido

Empresário suspeito de não entregar oxigênio aos Yanomami se apresenta à PF; ele estava foragido

Empresário suspeito de não entregar oxigênio aos Yanomami se apresenta à PF; ele estava foragido

A Justiça decretou a prisão do empresário, mas no dia da operação ele não foi localizado em Roraima. Ordens de busca e apreensão foram cumpridas na casa dele e na sede da Balma, em Boa Vista.

Batizada de Operação Hipóxia, a investigação identificou a aquisição de cerca de 4.500 recargas de três tamanhos de cilindros de oxigênio ao longo de 2022. Todo este material deveria ter sido distribuído para comunidades Yanomami a partir do polo de atendimento em Surucucu. No entanto, apenas 10% do cilindros teriam, de fato, chegado aos indígenas, segundo a PF e o Ministério Público Federal. O esquema desviou R$ 964.544,77 da saúde Yanomami.

Segundo fontes, Roger Pimentel se entregou hoje no aeroporto de Boa Vista. Ele foi retirado do avião e levado à superintendência da PF em Roraima, onde prestou depoimento —mas não respondeu às perguntas e ficou em silêncio.

Em audiência de custódia, a Justiça manteve a prisão preventiva do empresario por tempo indeterminado e negou pedido da defesa para ele ser levado a um batalhão da Polícia Militar. Roger Henrique Pimentel foi conduzido à cadeia pública de Boa Vista.

No momento da prisão, ele não apresentou o seu celular original. Segundo fontes, ele deu a entender que deixou o aparelho em Brasília. O empresário apresentou um aparelho recém-comprado.

Segundo a apuração da reportagem, Roger estava em viagem com a secretária estadual de Saúde de Roraima, Cecília Smith Lorenzon, e com marido dela, Wilson Fernando Basso. Há imagens dos três juntos no aeroporto de Brasília.

Basso é dono de uma empresa de produtos farmacêuticos e também foi alvo da Operação Hipóxia no dia 6. Contra ele havia um mandado de busca e apreensão. Em nota, ele disse nunca ter fornecido nada para esfera administrativa e que tem relação apenas com “entes privados”.

“Como cidadão sinto meus direitos constitucionais lesados notadamente, face a total ausência de relação entre o que está sendo apurado e a forma que está sendo conduzida”, diz Wilson Basso em nota, da última quarta-feira.

Um dos alvos da operação é Wison Basso, marido da secretária estadual de Saúde de Roraima, Cecília Smith Lorenzon — Foto: Josivan Antelo/Rede Amazônica

Link original da notícia: https://g1.globo.com/rr/roraima/noticia/2023/09/10/empresario-suspeito-de-nao-entregar-oxigenio-aos-yanomami-se-apresenta-a-pf-ele-estava-foragido.ghtml

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *