Em Belém, Tony Blair defende que Amazônia construa plano estratégico com tecnologias sustentáveis

Em Belém, Tony Blair defende que Amazônia construa plano estratégico com tecnologias sustentáveis

Em Belém, Tony Blair defende que Amazônia construa plano estratégico com tecnologias sustentáveis

O ex-primeiro-ministro da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, Tony Blair, disse, nesta quinta-feira (31), em Belém, no Pará, que “a Amazônia precisa de um plano estratégico de credibilidade, que inclua novas soluções tecnológicas e formas de financiamento para o combate às mudanças climáticas”.

“Existe a falta de um plano estratégico sobre a Amazônia, que trate do meio ambiente, da geração de emprego, dos povos originários, e disposto com credibilidade e financiado adequadamente. É aí que reside a dificuldade, mas se houver clareza e direcionamento, o mundo deve seguir esse plano para a região”.

Na palestra, o ex-primeiro-ministro manteve discurso aliando desenvolvimento à ecologia. Ele citou que a região amazônica tem enorme potencial de apresentar soluções diante do que ele chama de revolução tecnológica do século XXI, com advento da inteligência artificial, e defendeu que a floresta seja palco de estudos em prol da saúde global.

“A revolução tecnológica é o maior acontecimento atual que se desenrola no mundo, e essa mudança pode ser tão dramática quanto a revolução industrial do século XIX. Por isso, os países que não tirarem proveito dessa revolução vão ficar para trás. Além da questão ambiental e do clima, a Amazônia pode ter um papel muito importante se formos falar sobre medicamentos e tratamentos que também podem fazer uma diferença enorme para o mundo”.

Indústria e combustíveis fosseis

Durante a palestra na cidade que deve sediar a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 30), Blair afirmou que o “debate sobre clima não tem que deixar de lado a indústria de combustíveis fosseis”.

“O setor minerário tem que ser parte do debate, o setor privado também, sem essa cooperação nunca vamos conseguir fazer nada. E uma das coisas que fazemos no momento é olhar como se faz a transição de combustíveis fósseis, de acordo com a agenda internacional de transição energética. Temos que assegurar que isso seja desenvolvido da forma mais sustentável”.

O ex-1º ministro também afirmou que os setores da mineração e indústria “são essenciais para produção de energia limpa, e no caso do minério de ferro para o atual modo de vida”.

“Essa produção ainda pode melhorar, se tornar mais limpa, são as coisas que deveríamos estar discutindo com a indústria, sobre como proteger a floresta tropical, porque a proteção da floresta é essencial para controlar as mudanças climáticas”.

“A mineração precisa ser parte da solução e não apenas parte do problema, isso enquanto consumimos os seus produtos. Sinto que o mundo está pronto para isso agora, e essas soluções precisam ser práticas.

Conferência internacional em Belém

Belém recebe até sexta-feira (1º) a “Conferência Internacional Amazônia e Novas Economias”. Durante três dias, no Hangar, os participantes debatem sobre melhores práticas para o desenvolvimento econômico e social da região no evento organizado por mineradoras multinacionais.

Entre os temas em debate estão: novas economias, bioeconomia, economia circular, minerais estratégicos, mercado de carbono, economia solidária, ESG, combate aos crimes ambientais.

O objetivo da conferência internacional “é encontrar soluções para a manutenção da floresta e colaborar com a construção de uma agenda verde para a transição econômica”.

O evento ocorre no mesmo mês da realização da Cúpula da Amazônia, que reuniu diversos chefes de estados dos países da região amazônica e representantes da sociedade civil em Belém.

A Cúpula foi articulada pelo presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para discutir as metas para os países amazônicos e para preservação do meio ambiente diante da crise climática.

Já a Conferência reúne personalidades do Brasil, Canadá, Inglaterra, França, Suíça, Coreia do Sul e Colômbia.

O evento também traz figuras públicas internacionais, como o ex-primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Tony Blair; o ex-secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon; o presidente da Colômbia, Iván Duque; e o embaixador da Unesco para a Sustentabilidade, Oskar Metsavaht.

A Conferência Internacional Amazônia e Novas Economias é promovida pelo Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM), organização sem fins lucrativos que reúne mais de 130 empresas e instituições que atuam no setor mineral.

Link original da notícia: https://g1.globo.com/pa/para/noticia/2023/08/31/em-belem-tony-blair-defende-que-amazonia-construa-plano-estrategico-com-tecnologias-sustentaveis.ghtml

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *