TJDFT condena desembargador à aposentadoria compulsória por assédio sexual

TJDFT condena desembargador à aposentadoria compulsória por assédio sexual

TJDFT condena desembargador à aposentadoria compulsória por assédio sexual

30/08/2023 às 08h40min – Atualizada em 30/08/2023 às 08h40min

João Luís Dias Fischer é juiz substituto de segundo grau, cargo suplente de desembargador. Decisão desta 3ª é inédita na história no TJDFT.

Este é o primeiro caso dessa natureza na Corte – Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) decidiu, nesta terça-feira (29), condenar à aposentadoria compulsória o juiz substituto de segundo grau João Luís Fischer Dias — que estava na vaga de magistrado suplente de desembargador —, por assédio sexual e moral cometido contra três assessoras do gabinete dele. Este é o primeiro caso dessa natureza na Corte.
 

Fischer atuava na Corte há 27 anos e estava próximo da promoção profissional para o cargo mais alto da carreira no órgão.

Após o devido processo legal, o Tribunal Pleno da Corte entendeu, por maioria, que a acusação estava devidamente comprovada e aplicou a pena máxima prevista em lei para o magistrado.

O juiz vai continuar recebendo salário de forma proporcional ao tempo de serviço, mas não poderá atuar mais na magistratura. Ele ainda pode recorrer da decisão nas instâncias superiores.

A partir desta decisão, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) poderá denunciá-lo criminalmente.

Atualmente, o magistrado estava de licença médica no trabalho.

O Metrópoles tenta contato com o juiz. Esta reportagem será atualizada com o posicionamento do magistrado assim que receber resposta.

Com informações do Metrópoles

Link original da notícia: https://agazetadoamapa.com.br/noticia/40994/tjdft-condena-desembargador-a-aposentadoria-compulsoria-por-assedio-sexual

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *