Mãe relata racismo em escola cívico-militar contra filho de 13 anos no AP: ‘esse cabelo não consegue emprego’ 

Mãe relata racismo em escola cívico-militar contra filho de 13 anos no AP: ‘esse cabelo não consegue emprego’ 

Mãe relata racismo em escola cívico-militar contra filho de 13 anos no AP: ‘esse cabelo não consegue emprego’ 

Até a publicação desta reportagem a Secretária Estadual de Educação (Seed), não tinha se manifestado sobre o assunto. 

Escola Cívico-militar no Macapaba. — Foto: Internet/Divulgação

Segundo a mãe, ela recebeu uma solicitação para ir até a direção da escola, e no bilhete não havia informações sobre o motivo da convocação. 

Ao chegar na escola, ela foi surpreendida com a pauta da reunião. O encontro seria para falar sobre o tipo de cabelo do filho – o adolescente tem cabelos cacheados. 

“Falaram que o meu filho estava inventando uma “modinha” indo estudar com o cabelo “daquele jeito” “trançado” [..] Disseram que não iam permitir “isso” lá”, detalhou a mãe. 

Ainda segundo Rilmara, ela questionou o tenente militar responsável pela direção, afirmando que o cabelo do seu filho não era trançado, e sim cacheado. Como resposta, o militar disse que iria “provar” a ela que o cabelo do aluno era trançado. 

“Ele pegou, saiu e foi até a sala do meu filho, pegou ele, e foi para sala que a gente estava conversando. Ele falou: “tá vendo aqui como o cabelo do seu filho é trançado!”, relembrou Rilmara.

A mãe relatou em entrevista ao g1 que ela e seu filho ficaram bastante abalados. De acordo com Rilmara, o tenente afirmou durante a reunião que o adolescente jamais conseguiria um emprego com o cabelo daquela forma. 

“Se ele for procurar um emprego com esse cabelo, não vai conseguir”, teria dito o Tenente. 

Ao chegar em casa, o adolescente ficava repetindo as frases ditas pelo diretor, relembrou a mãe. “Aquela situação me feriu, porém, feriu mais ainda meu filho, que chegou em casa e disse: ‘mãe, a senhora viu que ele falou que se meu cabelo fosse liso ia ser diferente’. Isso ficou instalado na cabeça do meu filho.”

O conjunto habitacional Macapaba fica localizado na periferia da capital e conta com duas escolas, sendo uma delas cívico-militar. Rilmara disse que matriculou seu filho na instituição por admirar o trabalho realizado pela polícia. 

“Quando meu filho entrou nessa escola eu fiquei toda feliz, parecia tudo mágico. Sempre soube das regras, mas não imaginava que o cabelo do meu filho seria um problema”, afirmou. 

Após o ocorrido, a direção da escola deu duas alternativas para mãe resolver a questão: cortar o cabelo do filho ou trocá-lo de escola

A mãe decidiu que vai tirar o adolescente da escola, mas ressalta que não é pelo corte de cabelo, mas pela situação pela qual o filho passou. Segundo Rilmara, a escola deu dois dias de prazo para que ela vá até a instituição pegar o documento de transferência. 

VÍDEOS com as notícias do Amapá:

Link original da notícia: https://g1.globo.com/ap/amapa/noticia/2023/08/30/mae-relata-racismo-em-escola-civico-militar-contra-filho-de-13-anos-no-ap-esse-cabelo-nao-consegue-emprego.ghtml

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *