Ipê-amarelo rouba a cena no início do período mais quente do ano em Macapá

Ipê-amarelo rouba a cena no início do período mais quente do ano em Macapá

Ipê-amarelo rouba a cena no início do período mais quente do ano em Macapá

Um exemplo dos ipês é o imenso ipê-amarelo na praça da Caixa D’água do bairro do Buritizal, na Zona Sul da capital. Ele “se exibe” para quem passa pela Rua Santos Dummont, uma das que ligam os principais pontos da cidade.

Outro ipê-amarelo que tem encantado os macapaenses é o da praça Floriano Peixoto, no centro da capital. A população aproveita a beleza do lugar, seja para ensaios fotográficos ou apenas para contemplar a beleza da árvore.

Ipê-amarelo na Praça Floriano Peixoto em Macapá — Foto: Núbia Pacheco/g1

A planta está presente em várias regiões do Brasil e também é nativa do Amapá. O nome ipê é originário da língua tupi e significa casca dura. Tanto, que os índios utilizavam a madeira destas árvores para fazer arcos de caça e de defesa.

Florada dos ipês

Os ipês perdem as folhas próximo a sua floração, no período em que as temperaturas ficam mais elevadas e a presença das chuvas diminui. No norte do Brasil isto ocorre entre os meses de julho e agosto.

Para entender sobre a florada dos ipês, o g1 conversou com o Dr. Luciano Araújo Pereira, professor de Botânica da Universidade Estadual do Amapá (Ueap), e com a professora Melissa Sobrinho, docente do curso de Educação no Campo da Universidade Federal do Amapá (Unifap).

Essa característica vai na contramão de árvores frutíferas que dominam a paisagem da capital, como por exemplo as mangueiras, que dão frutos durante o inverno amazônico e em meio às chuvas intensas.

O Amapá tem como característica uma diversidade de biomas e ecossistemas, por isso, é comum ver plantas tão diferentes numa mesma região.

Ipê-amarelo se destaca no início do verão em Macapá — Foto: Jorge Júnior/g1

A exemplo, o ipê-amarelo, que é uma árvore típica do cerrado, tipo de vegetação encontrada em vários pontos do Amapá, mas que são mais comuns no interior do estado.

Uma das principais dúvidas que surgem sobre os ipês é a forma como ele muda de aspecto no decorrer do ano. A planta passa despercebida no dia-a-dia enquanto está sem flores, mas quando chega o final do inverno impressiona a todos.

De acordo com Dr. Luciano Araújo, a árvore perde as folhas e é como se ela estivesse “morta”. Depois vem a florada, que dura em média uma semana e varia conforme a pouca concentração de água na atmosfera.

“Digamos, que ele caduca, ele fica durante um período e depois morre e cai as folhas. Não morre a planta, mas cai as folhas, aí fica só as flores, porque ela tem essa capacidade de sazonalidade para ter a floração. Tem flor de ano em ano, mas ela substitui as folhas durante o período, que geralmente vai de agosto a novembro, mais ou menos, dependendo do lugar”, explicou o Dr. Luciano.

Mas a perda das folhas e a maior exposição das flores não são só pra agradar os olhos de quem passa pelos ipês. É o que explica a Dr. Melissa Sobrinho.

“Os ipês perdem as folhas no início da floração, justamente para expor bem as flores aos polinizadores. Depois as folhas voltam a crescer, porque elas precisam fazer bastante fotossíntese para ter energia para produzir os frutos e desenvolver as sementes. O período de frutificação ser também no período sem chuvas é propício para a dispersão das sementes, que são dispersas pelo vento. Depois os ipês voltam a produzir e manter as folhas, só perdendo novamente na próxima floração”, explicou.

VÍDEOS com as notícias do Amapá:

Link original da notícia: https://g1.globo.com/ap/amapa/noticia/2023/08/25/ipe-amarelo-rouba-a-cena-no-inicio-do-periodo-mais-quente-do-ano-em-macapa.ghtml

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *