Geóloga recomenda proibição imediata de trilha em Fernando de Noronha: ‘Risco eminente e muito sério de pedra se desprender e rolar’

Geóloga recomenda proibição imediata de trilha em Fernando de Noronha: ‘Risco eminente e muito sério de pedra se desprender e rolar’

Geóloga recomenda proibição imediata de trilha em Fernando de Noronha: ‘Risco eminente e muito sério de pedra se desprender e rolar’

A subida da Pedra do Piquinho, trilha utilizada como atrativo turístico e procurada tanto por visitantes quanto por moradores de Fernando de Noronha, deveria ser proibida imediatamente. Essa recomendação é da geóloga Joana Sánchez, consultora do Instituto Chico Mendes da Biodiversidade (ICMBio) na ilha. “Existe risco eminente e muito sério de a pedra se desprender e rolar”, disse.

Ainda de acordo com a especialista, em caso de queda, a pedra pode atingir a usina de energia solar e moradias localizadas na região, além da possibilidade de causar acidente, caso alguém esteja em cima da rocha.

“A rocha que segura a pedra maior está com uma rachadura de 45 graus com 15 centímetros de abertura, que aconteceu em dois anos. Por esse motivo, com a subida das pessoas em cima da pedra grande pode acarretar o aumento da fratura e a queda imediata do bloco”, afirmou Joana Sánchez.

Rachadura de 45 graus tem 15 centímetros de abertura — Foto: Joana Sánchez/Acervo pessoal

Também segundo a geóloga, a rocha com risco de cair tem mais de cinco metros de altura por seis de largura. “A subida das pessoas nessa rocha acarreta o deslocamento dos blocos e pode facilmente continuar abrindo a fratura”, declarou.

Ela informou que vai fazer o laudo com Atestado de Regularidade Técnica (ART) nos próximos dias. No entanto, recomenda que, por causa da visitação intensa ao local, a subida na pedra seja proibida imediatamente.

Geóloga indica risco de a pedra rolar — Foto: Joana Sánchez/Acervo pessoal

Joana Sánchez disse, ainda, que existe uma proposta de obra de contenção no local e que falou sobre esse risco com o comandante do Corpo Bombeiros na ilha, capitão Carlos Araújo.

O g1 tentou contato com o comandante para saber da avaliação dos riscos e indicação de manutenção, mas não obteve resposta até a última atualização desta reportagem.

O que diz o ICMBio

De acordo com o Instituto Chico Mendes da Biodiversidade:

  • A recomendação de Joana Sánchez foi recebida no dia 3 de setembro e aguarda o laudo técnico para providências legais.
  • Foi providenciada, em caráter emergencial, sinalização com placa proibindo a subida;
  • “Desde o início de 2022, o instituto tem reforçado estudos e consequentes manutenção de risco geológico em toda a área visitada do Parque Nacional Marinho”;
  • A Zona de Proteção e Conservação da Vida Silvestre, onde se encontra a Trilha do Piquinho, está no planejamento geológico e de visitação;
  • Serão adotadas “todas as providências necessárias para garantir a segurança na visitação (quando esta for possível) e o fechamento das áreas de risco; sem esquecer o cuidado com a riqueza geológica da ilha”.

Manutenção geológica

A especialista indicou a necessidade de manutenção anual para evitar acidentes nas falésias e afirmou ser necessária a sinalização dos pontos de risco. Após a reportagem do blog, o ICMBio iniciou trabalhos de manutenção e prevenção geológica no Parque Nacional Marinho de Noronha.

Segundo o ICMBio, Joana Sanchez é doutora em geologia regional e uma das responsáveis pelo estudo de risco geológico no Parque iniciado em 2022. Desde então, ela firmou parceria com o ICMBio para manutenção geológica no parque.

O trabalho desenvolvido em Noronha é tema do pós-doutorado da geóloga na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), no campus de Rio Claro.

VÍDEOS: mais vistos de Pernambuco nos últimos 7 dias

Link original da notícia: https://g1.globo.com/pe/pernambuco/blog/viver-noronha/post/2023/09/08/geologa-recomenda-proibicao-imediata-de-trilha-em-fernando-de-noronha-risco-eminente-e-muito-serio-de-pedra-se-desprender-e-rolar.ghtml

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *